Arquivo de Outubro, 2011

Devil’s Bride – part 4

Posted: 2011.Outubro.11. in Devil's Bride
Etiquetas:,

Todos concordaram e arrumaram suas malas. Hiroshi, Yumi e Sora saíram na frente, deixando Kai e Hikari, que, ainda muito abalada, arrumava seus pertences lentamente, no ginásio. Quando terminou, respirou fundo e olhou para o amigo, que a observava intrigado.

-Você quer saber o que realmente aconteceu, não quer? – perguntou a jovem.

-Não se você não quiser contar.

-Eu acho que eu…

Hikari abafou um grito quando as luzes se apagaram repentinamente. Um silêncio perturbador tomou conta do lugar, apenas o uivo do vento do lado de fora ecoava pelo salão. Guiando-se pela fraca luz da lua conseguiu chegar ao jardim, também escuro e macabro.

-Kai! – gritou, procurando o garoto.

-Hikari! – ouviu a voz de Kai vindo de algum lugar.

Continuou a chamá-lo e seguir o som. Apavorou-se ao perceber que estava voltando para a estufa, mas seguiu em frente. Ofegante, conseguia distinguir a estufa, que refletia as luzes prateadas que incidiam naquele ambiente. Pegou sua lanterna e, atenta a qualquer movimento, começou a caminhar. Não havia qualquer sinal de que Kai estava ou estivera ali, o que a preocupou mais do que antes.

Armadilha. Foi a primeira palavra que surgiu em sua mente, tarde demais para ser evitada. Ouviu um estalo e, no momento seguinte, suas pernas não se moviam. Atada ao solo como se tivesse raízes, viu uma sombra se aproximar. Não precisava de sua lanterna, que agora estava no chão, para saber o que era.

O espírito maligno ikemen levantou o rosto de Hikari e sorriu. Foi tomada por uma mistura de raiva e pavor, que, possivelmente, ajudaram-na a se livrar do feitiço. Em um instante, livrou-se das mãos frias do demônio e chutou-o em um lugar que dói…

Quando se deu por si, estava encostada na estátua do pátio central, suas pernas fraquejando e seus olhos cheios de lágrimas. Naquele momento, desejou mais do que tudo nunca ter conhecido o Clube de Investigação Sobrenatural. Amaldiçoou, com todas as forças que lhe restavam, Kai, que a jogou no meio daquilo.

Kai. Onde ele poderia estar? Olhou para a escuridão de onde havia fugido. Estremeceu.

-Não temos tempo pra brincadeiras! – sentiu seus braços imobilizados.

Tentou se livrar mais uma vez daquele ser, mas cansada como estava, tudo o que conseguiu foi cair de joelhos.

-Vamos! Estão nos esperando, Tsuma!

-Tsuma?

Seu grito de pavor foi encoberto por uma densa nuvem sufocante. Fechou os olhos, deixando-se levar por aquela estranha criatura.

Anúncios